Conduta

CONDUTA DAS PROFISSIONAIS COM AS/OS PACIENTES DURANTE OS ATENDIMENTOS E AO LONGO DA PERMANÊNCIA NO PROJETO

1. CUIDADO, DELICADEZA E VALIDAÇÃO DOS SENTIMENTOS DA/O PACIENTE DURANTE AS SESSÕES

 

A profissional que ingressa ao Projeto Bastê deve estar ciente da gravidade do tema e da fragilidade das vítimas. É necessário muito cuidado, delicadeza e respeito no manejo destas pacientes, que chegam ao Projeto muitas vezes traumatizadas e buscando alento, conforto e orientação.

 

Todas as profissionais do Projeto Bastê devem estar cientes de que não se deve utilizar os acontecimentos de sua vida pessoal como base e parâmetro durante as sessões. Isso não deve ocorrer em hipótese alguma. Todas assinam um contrato de 9 páginas contendo as diretrizes do Projeto e declarando ciência.

 

2. EM CASO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA ENVOLVENDO CÔNJUGE, JAMAIS SUGERIR QUE A PACIENTE VOLTE À RELAÇÃO COM O AGRESSOR CASO ELA ESTEJA SEPARADA DO MESMO.

 

Em hipótese alguma a profissional deve sugerir que a paciente deve voltar com seu agressor, ainda que o mesmo esteja disposto a buscar algum tipo de tratamento. Em hipótese alguma deve ser sugerida a terapia de casal, salvo quando ambos no relacionamento são vítimas e não agressores.

 

3. NEGLIGÊNCIA E INVALIDAÇÃO DA HISTÓRIA E SENTIMENTO DAS PACIENTES ACARRETARÃO EM DESLIGAMENTO DO PROFISSIONAL DO PROJETO BASTÊ

 

A profissional em hipótese alguma deve negligenciar a paciente, invalidando sua dor, seus traumas e sua história. Este tipo de conduta é inadmissível entre qualquer profissional integrante do Projeto Bastê e passível de denúncia no Conselho Regional de Psicologia  (caso a profissional seja psicóloga) e acarretará em desligamento imediato do Projeto. O desligamento imediato também deverá ocorrer para qualquer profissional do projeto que realizar essa conduta.

 

4. ATUALIZAÇÃO CONSTANTE SOBRE O TEMA “RELACIONAMENTO ABUSIVO” E VIOLÊNCIA DOMÉSTICA 

 

A profissional deve se manter atualizada sobre o tema “relacionamento abusivo” e “violência doméstica” e deve sempre acessar os links enviados no grupo de whatsapp “Projeto Bastê”, pela Coordenadora Thaís Araujo, no intuito de informarem-se cada vez mais para que possam atender a paciente com base em dados consistentes.

5. COMO PROCEDER QUANDO A PACIENTE QUISER VOLTAR À RELAÇÃO COM O AGRESSOR?

 

Em hipótese alguma a paciente deve ser julgada por escolher permanecer com seu agressor ou ameaçada de expulsão do Projeto Bastê, mas sim orientada e lembrada das consequências que esta atitude pode ocasionar, pois é sabido que muitas encontram-se em dependência emocional e devem ter o tratamento adequado até  sentirem-se fortes e prontas para deixar a relação por livre e espontânea vontade. 

 

6. EM CASO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA ENVOLVENDO CÔNJUGE, COMO PROCEDER EM CASO DE RISCO DE VIDA E AMEAÇAS DO AGRESSOR INCLUINDO DANOS À INTEGRIDADE FÍSICA DA PACIENTE?

 

As pacientes do Projeto Bastê têm o direito de assessoria jurídica gratuita em casos de emergência, como ameaças de morte feitas pelo agressor ou em situações onde ela pode ter sua integridade física danificada.

Necessário antes de tudo, em casa de risco iminente, verificar junto à paciente as informações abaixo:

-Se a paciente tem local apropriado para ficar

-Checar se o agressor tem acesso ao local onde ficará a vítima

-Se existe algum contato de segurança

-Em caso de intimação, se o agressor estará presente em casa no momento do recebimento

-Com quem ficarão os filhos e se estarão seguros

Caso a paciente não tenha local apropriado, é necessário aconselhar a procura da delegacia da mulher mais próxima e solicitar abrigo conforme prevê a Lei Maria da Penha.

 

7. AS PROFISSIONAIS DO PROJETO BASTÊ TAMBÉM SERÃO AVALIADAS PELAS PACIENTES.

 

-A Cada 3 meses será enviado por e-mail uma pesquisa de avaliação e satisfação para as pacientes sobre o Projeto e as profissionais que a atendem/atenderam e devem notificar a coordenação caso detecte algum comportamento adequado e/ou antiético das profissionais, que não estejam de acordo com as diretrizes aqui neste documento supramencionadas.

 

-A coordenação avaliará o tipo de conduta notificada pela paciente e entrará em contato com a profissional para advertí-la sobre o ocorrido ou para desligá-la do projeto caso sua conduta não seja tolerada.

 

-Caso a profissional tente desqualificar a paciente após sua notificação de má conduta junto à coordenação ou desligamento das sessões com a mesma, serão tomadas as medidas judiciais cabíveis.

8. FORMA DE PAGAMENTO

 

As pacientes deverão depositar o valor das sessões antecipadamente na conta de cada profissional e serão atendidas mediante envio de comprovante de pagamento.

É de escolha da paciente fazer os pagamentos de forma avulsa (na semana) ou pagar o valor total correspondente à todas as sessões do mês, o Projeto Bastê não prevê nenhuma obrigatoriedade em relação à isso.